fbpx

O jeito mais eficiente de transformar um funcionário inerte em inovador

Inovação (Foto: Thinkstock)

Peça menos opiniões e dê mais limites. É o que sugere o consultor de inovação Stephen Shapiro, no livro Best practices are stupid (“Melhores práticas são burras”). “Você não tem de estimular o funcionário a pensar fora da caixa, e sim dar uma nova caixa para ele pensar.” Segundo Shapiro, quando se exige criatividade sem dar parâmetros, as pessoas tendem a chegar às mesmas soluções. É muito mais eficiente identificar um problema e pedir ideias para resolvê-lo. “A quantidade de sugestões será menor, mas elas serão mais eficazes.”

Um experimento simples ilustra isso. Para um grupo de executivos, ele pediu sugestões sobre o que poderia ser feito com um tijolo. A maioria veio com ideias parecidas: construir uma casa ou usá-lo como uma arma. Para outro grupo, ele impôs um limitador: o que se pode fazer com um tijolo dentro da cozinha? O objeto, nesse caso, ganhou utilidades impensadas, como servir de apoio para panelas ou instrumento para espichar massa de lasanha. “Pode soar paradoxal”, diz Shapiro, “mas impor limitadores ajuda a melhorar a criatividade”.

 

Open chat